Quarta-feira, 4 de Maio de 2016

Nas dunas

IMG_0797.JPG

 Uma nova experiência que me surpreendeu pela positiva.

Caminhar, ouvir o silêncio, com um sol que brilhava, sem ser escaldante, foi das boas sensações que tive em mais uma viagem.

Aqui senti-me pequenina e os meus pensamentos soltaram-se, quais finos grãos de areia, que impediram que a minha mente se perdesse. Pude concentrar-me na imensidão da areia e agradecer por poder experienciar outra visão do mundo.

 Viagem feita com a http://www.zenfamily.pt/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 18:46
link do post | comentar | favorito
|
30 comentários:
De Rui Espirito Santo a 4 de Maio de 2016 às 19:34
"O vento oleiro",...ou, "Coisas que o vento molda", ou, "Esculturas da natureza" !!!
Espantoso, como sem intervenção do Homem, conseguismos desfrutar destas maravilhas !
... mas a existência desse tal olhar, ajuda-nos a ver melhor ! :))

Claro que a foto está divinal, Manu ! :))

Um Beijo !


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:14
Um dia destes antes de colocar uma foto pergunto-te que título sugeres, já que os que aqui deixaste têm tudo a ver e fazem todo o sentido.
Um lugar onde o nada é tudo!

Beijos Rui


De Rui Espirito Santo a 5 de Maio de 2016 às 15:27
Para mim, "Um lugar onde o nada é tudo!" , ainda seria o melhor ! :)))


De Rui Espirito Santo a 5 de Maio de 2016 às 15:31
Também já estive numa situação dessas na Tunísia ! :)) ... Fosse qual fosse a direcção para onde olhasse só via areia , para além do grupo que seguia em camelos e duma raposa que corria lá longe ! ... mas a areia não tinha esse maravilhoso aspecto da tua foto ! :)

Um Beijo, ... sem areia ! :)


De Elisa Fardilha a 4 de Maio de 2016 às 19:49
Foram essas as sensações que tive quando fui ao Saara há 7 anos. Fui em Setembro.
foram sensações inesquecíveis.
Não tenho nenhuma foto que chegue aos calcanhares da tua. A foto está soberba! 10 **********.
As dunas esculpidas pelas mãos do vento.

Beijinhos.


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:16
Não estava nos meus planos ir ao deserto, foi uma oportunidade que surgiu de repente e fui um bocadinho de pé atrás.
Hoje voltava de novo, vivi experiências inesquecíveis que estão a pouco e pouco a transformar a minha vida.
Muito obrigada.

Beijos Elisa


De chica a 4 de Maio de 2016 às 19:51
Linda foto e quantas reflexões podem ser feita naquela imensidão>Adorei! bjs, chica


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:18
Reflectir, sentirmos o universo a fluir, aprender o quanto somos pequeninos e deixar fluir.
Ensinamentos para uma vida.

Beijos Chica


De Alice Alfazema a 4 de Maio de 2016 às 21:24
Captaste bem os teus sentimentos. Dá para viajar na tua fotografia.

Beijos :)


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:20
Gostava de poder dizer muito mais, mas as palavras não se soltaram, só as emoções ficaram dentro de mim e jamais esquecerei o quanto me enriqueceu esta viagem.
Muito obrigada.

Beijos Alice


De Carlos a 4 de Maio de 2016 às 22:43
De certeza que foi um momento marcante.
Gostava de o experimentar também.


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:21
Tenho viajado muito, felizmente, mas esta foi sem dúvida uma das aventuras que mais me marcou.
Aconselho-te vivamente a ir, nunca mais a tua vida será igual.

Beijos Carlos


De contempladora ocidental a 5 de Maio de 2016 às 00:43
Que experiência extraordinária!!!


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:22
Não há palavras...foi um misto de emoções indescritíveis.

Beijos Catarina


De Photo Attraction a 5 de Maio de 2016 às 09:29
Parece uma paisagem marciana...
É uma experiência que está na minha "Bucket list" ;)


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:25
Então quando puderes vai. Eu tive sorte, porque nem estava muito calor, até dormi num saco cama no deserto a contemplar milhões de estrelas.
Tenho a certeza que captarias fotos lindíssimas.

Beijos Pedro


De Questiuncas a 5 de Maio de 2016 às 10:42
Sem nunca ter ido a nenhum deserto, é um dos meus locais de eleição.


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:26
Aconselho-te vivamente a ires, é uma experiência marcante na vida de qualquer um.

Beijos Questiuncas


De Isabel Pires a 5 de Maio de 2016 às 12:36
Manu, costumo dizer que nunca mais fui a mesma desde que pisei o deserto pela primeira vez, em 1998.
O Miguel Sousa Tavares, foi muito assertivo no que há uns anos escreveu sobre a sua experiência.
Um excerto:
"Fui onze vezes ao deserto do Sahara. (…) Perguntam-me frequentemente o que é que eu lá procuro e o que é que é que encontro. E a esta pergunta, tão simples e tão vasta, costumo dar uma das minhas respostas preferidas: não procuro nada e não se encontra o que se procura, mas o que se encontra. De vez em quando, forçado a explicar-me melhor, falo da paisagem inicial e despojada do deserto, ou da viagem interior que ali acompanha a outra viagem. (…) O que é que se procura num deserto? Por definição, nada. O deserto é a ausência de tudo. (…) Não se encontra o que se procura, mas o que se encontra. (…) Porquê, então, este desejo veemente de deserto, essa vontade de nada, de vazio, absoluto, esta viagem ao mais fundo de nós mesmos – lá, onde não resta sombra de arrogância, do orgulho, e da sabedoria que julgamos ter? Talvez porque ali estamos a sós com o Absoluto, ali, se os Deuses existem, é o mais próximo deles que podemos estar, porque ali reside, mesmo que jamais o decifremos, a chave para o eterno enigma da Criação. É ali que começa a vida, é o nosso útero, o princípio de todas as coisas. Só então ficamos a saber que tudo o resto são circunstâncias."

Miguel Sousa Tavares
Não te deixarei morrer, David Crockett
Oficina do Livro, 2001

Bela chapa!
Beijos


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:12
As palavras do Miguel Sousa Tavares, dizem tudo o que senti e acredita, esta viagem está a transformar a minha vida.
É uma espécie de começo partindo do nada e querendo alcançar o todo, vivendo apenas e só o momento e despojando-me do que não é necessário.

Beijos Isabel


De Remus a 5 de Maio de 2016 às 14:30
Pois... Mais uma viagem feita. Mais uma voltinha dada.
Mas acho que não me ia dar muito bem por aí. Detesto e "sofro" muito no calor. Mas gostava de estar no deserto à noite. Passar uma noite (ou várias) no deserto, onde as estrelas são bem visíveis e o silêncio deve ser total.

Belo ondular e com uma tonalidade que nos enche os olhos. É como fosse uma paisagem de ouro.


De Existe um Olhar a 5 de Maio de 2016 às 15:08
Eu pensava o mesmo Remus, mas tive sorte porque não estava muito calor e até pude dormir num saco cama a olhar para as estrelas, uma experiência nova para mim que nunca dormi numa coisa daquelas.
E foram tantas as estrelas cadentes que vi... um sonho mesmo!

Beijos Remus


Comentar post

Direitos de Autor Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março. Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo para que sejam retiradas de imediato. manuelapereira3@sapo.pt

.Quem me segue

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 227 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
16
18

19
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Quem sou eu?

. Porta número 8

. O templo dourado

. Caíram desamparadas

. Fui lá...

. Tudo ao contrário

. Há pano para mangas

. Eu quero uma casa no camp...

. A descer

. Chapéus há muitos

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.favoritos

. O regresso

. A MORTE e as PENAS.

. As cores do tempo

. ...Ah e tal são meras Teo...

. O cheiro da luz

. Um Livro, Uma Imagem

. A verdadeira história de ...

. CARTA À MINHA AMIGA INÊS

.links

.Lista de links

.Quem me visita

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds