Sexta-feira, 15 de Setembro de 2017

Um pedaço do meu céu

_MG_0526a.jpg

As nuvens são sombrias
Mas, nos lados do sul,
Um bocado do céu
É tristemente azul.
Assim, no pensamento,
Sem haver solução,
Há um bocado que lembra
Que existe o coração.
E esse bocado é que é
A verdade que está
A ser beleza eterna
Para além do que há.
Fernando Pessoa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito (2)
|
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017

É só a brisa que passa

_MG_9997.JPG

 

 

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou?

Fernando Pessoa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito (2)
|
Segunda-feira, 19 de Junho de 2017

Entre o luar e a folhagem

IMG_3481 (2).JPG

Entre o luar e a folhagem, 
Entre o sossego e o arvoredo, 
Entre o ser noite e haver aragem 
Passa um segredo. 
Segue-o minha alma na passagem. 

Tênue lembrança ou saudade, 
Princípio ou fim do que não foi, 
Não tem lugar, não tem verdade. 
Atrai e dói. 

Segue-o meu ser em liberdade. 

Vazio encanto ébrio de si, 
Tristeza ou alegria o traz? 
O que sou dele a quem sorri? 
Nada é nem faz. 
Só de segui-lo me perdi. 

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 00:18
link do post | comentar | ver comentários (40) | favorito (2)
|
Quinta-feira, 14 de Abril de 2016

O sorriso das folhas

Em leque

 

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou

Fernando Pessoa

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 20:42
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito (1)
|
Domingo, 14 de Fevereiro de 2016

Chove. Há silêncio!

IMG_5659.JPG

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

 

Foto tirada numa noite de chuva em que só um poste de luz iluminava as gotas de água

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 20:36
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Abril de 2015

Flor que não dura

 Flor que não dura

Mais do que a sombra dum momento 

Tua frescura
Persiste no meu pensamento.

Não te perdi
No que sou eu,
Só nunca mais, ó flor, te vi
Onde não sou senão a terra e o céu.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 09:10
link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito
|
Sexta-feira, 27 de Junho de 2014

A sombra das nuvens


As nuvens são sombrias
Mas, nos lados do sul,
Um bocado do céu
É tristemente azul.
Assim, no pensamento,
Sem haver solução,
Há um bocado que lembra
Que existe o coração.
E esse bocado é que é
A verdade que está
A ser beleza eterna
Para além do que há.

Fernando Pessoa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 21:15
link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito
|
Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

Caiu aqui

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou

Fernando Pessoa
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 01:15
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Maio de 2013

Dorme onde o rio corre

Entre o sono e sonho,
 Entre mim e o que em mim
 É o quem eu me suponho
Corre um rio sem fim.
Passou por outras margens,
 Diversas mais além,
 Naquelas várias viagens
Que todo o rio tem.
Chegou onde hoje habito
 A casa que hoje sou.
 Passa, se eu me medito;
Se desperto, passou.
E quem me sinto e morre
 No que me liga a mim
Dorme onde o rio corre
 Esse rio sem fim.
Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

 

Rio Mondego

Maio de 2013 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 01:42
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Março de 2013

Nas alturas




"Não sou da altura que me vêem, mas sim da altura que meus olhos podem ver."

 Fernando Pessoa

 


 Serra da Estrela

Março de 2013

 

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 00:11
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Chove. Há silêncio

 
Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
 
No jardim do museu do Oriente
Janeiro de 2013

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 19:17
link do post | comentar | ver comentários (31) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013

O pastor

 
O pastor amoroso perdeu o cajado,
E as ovelhas tresmalharam-se pela encosta,
E de tanto pensar, nem tocou a flauta que trouxe para tocar.
Ninguém lhe apareceu ou desapareceu.
Nunca mais encontrou o cajado.
Outros, praguejando contra ele, recolheram-lhe as ovelhas.
Ninguém o tinha amado, afinal.
Quando se ergueu da encosta e da verdade falsa, viu tudo:
Os grandes vales cheios dos mesmos verdes de sempre,
As grandes montanhas longe, mais reais que qualquer sentimento,
A realidade toda, com o céu e o ar e os campos que existem,
estão presentes.
(E de novo o ar, que lhe faltara tanto tempo, lhe entrou fresco
nos pulmões)
E sentiu que de novo o ar lhe abria, mas com dor,
uma liberdade
no peito
 
Fernando Pessoa
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 13:06
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

É fácil...olha!

"É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo."

 
Fernando Pessoa
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 22:09
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Quero mais chão e bolinhas de sabão

 

Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero aceitar menos, indagar mais, ousar mais. Experimentar mais. Quero menos “mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais. E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha

 
 
 
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 01:12
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Maio de 2012

Como nuvens no céu

Como nuvens pelo céu
Passam os sonhos por mim.
Nenhum dos sonhos é meu
Embora eu os sonhe assim.
São coisas no alto que são
Enquanto a vista as conhece,
Depois são sombras que vão
Pelo campo que arrefece.

Símbolos? Sonhos? Quem torna
Meu coração ao que foi?
Que dor de mim me transtorna?
Que coisa inútil me dói?

 
Fernando Pessoa
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 10:37
link do post | comentar | ver comentários (19) | favorito
|
Quinta-feira, 12 de Abril de 2012

Paira à tona da água

 
Paira à tona de água
Uma vibração,
Há uma vaga mágoa
No meu coração.

Não é porque a brisa
Ou o que quer que seja
Faça esta indecisa
Vibração que adeja,

Nem é porque eu sinta
Uma dor qualquer.
Minha alma é indistinta
Não sabe o que quer.

É uma dor serena,
Sofre porque vê.
Tenho tanta pena!
Soubesse eu de quê!...

(Fernando Pessoa)

 

Paraty-Brasil

Março de 2012

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 19:18
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|
Sábado, 21 de Janeiro de 2012

Entre o luar e o arvoredo

Entre o luar e a folhagem,
Entre o sossego e o arvoredo,
Entre o ser noite e haver aragem
Passa um segredo.
Segue-o minha alma na passagem.

Tênue lembrança ou saudade,
Princípio ou fim do que não foi,
Não tem lugar, não tem verdade.
Atrai e dói.

Segue-o meu ser em liberdade.

Vazio encanto ébrio de si,
Tristeza ou alegria o traz?
O que sou dele a quem sorri?
Nada é nem faz.
Só de segui-lo me perdi.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro
 
Nota:
Um segredo... esta foi a primeira foto em que usei photoshop, depois do meu amigo Miguel ter tido a paciência de me dar numa horita algumas dicas.
Ainda não parei de treinar, vamos ver se continuo, mas que é viciante, lá isso é. Esta fiz sozinha, nem sei avaliar da qualidade ou da falta dela.
 
 
 
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 22:39
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Quarta-feira, 2 de Novembro de 2011

Em meus momentos escuros

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou aterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado
Revivo, existo, conheço,
E, ainda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço.
Entrego-lhe o coração.
 
(Fernando Pessoa)
Óbidos-Novembro de 2011
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 00:23
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

Momentos a P&B

 
 
 
Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou aterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado
Revivo, existo, conheço,
E, ainda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço.
Entrego-lhe o coração.
(Fernando Pessoa)

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 19:55
link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Junho de 2011

Viver e ver somente

 

 

 

Viajar! Perder países!
Ser outro constantemente,
Por a alma não ter raízes
De viver de ver somente!

Não pertencer nem a mim!
Ir em frente, ir a seguir
A ausência de ter um fim,
E a ânsia de o conseguir!

Viajar assim é viagem.
Mas faço-o sem ter de meu
Mais que o sonho da passagem.
O resto é só terra e céu.
(Fernando Pessoa)

Zambujeira do Mar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 21:38
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Direitos de Autor Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março. Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo para que sejam retiradas de imediato. manuelapereira3@sapo.pt

.Quem me segue

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 227 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
16
18

19
22
24
25

27
28


.posts recentes

. Um pedaço do meu céu

. É só a brisa que passa

. Entre o luar e a folhagem

. O sorriso das folhas

. Chove. Há silêncio!

. Flor que não dura

. A sombra das nuvens

. Caiu aqui

. Dorme onde o rio corre

. Nas alturas

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.favoritos

. O regresso

. A MORTE e as PENAS.

. As cores do tempo

. ...Ah e tal são meras Teo...

. O cheiro da luz

. Um Livro, Uma Imagem

. A verdadeira história de ...

. CARTA À MINHA AMIGA INÊS

.links

.Lista de links

.Quem me visita

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds