Sexta-feira, 3 de Novembro de 2017

Chapéus há muitos

IMG_9078a.jpg

Finalmente já chove!

Chuva, caindo tão mansa, 
Na paisagem do momento, 
Trazes mais esta lembrança 
De profundo isolamento. 

Chuva, caindo em silêncio 
Na tarde, sem claridade... 
A meu sonhar d'hoje, vence-o 
Uma infinita saudade. 

Chuva, caindo tão mansa, 
Em branda serenidade. 
Hoje minh'alma descansa. 
— Que perfeita intimidade!... 

Francisco Bugalho, in "Paisagem" 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 13:08
link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito (2)
|
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2017

Um pedaço do meu céu

_MG_0526a.jpg

As nuvens são sombrias
Mas, nos lados do sul,
Um bocado do céu
É tristemente azul.
Assim, no pensamento,
Sem haver solução,
Há um bocado que lembra
Que existe o coração.
E esse bocado é que é
A verdade que está
A ser beleza eterna
Para além do que há.
Fernando Pessoa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito (2)
|
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017

É só a brisa que passa

_MG_9997.JPG

 

 

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou?

Fernando Pessoa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito (2)
|
Sexta-feira, 4 de Agosto de 2017

Pelo Tejo vai-se para o mundo

IMG_6374a.jpg

 O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, 
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia 
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. 
O Tejo tem grandes navios 
E navega nele ainda, 
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está, 
A memória das naus. 
O Tejo desce de Espanha 
E o Tejo entra no mar em Portugal. 
Toda a gente sabe isso. 
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia 
E para onde ele vai 
E donde ele vem. 
E por isso porque pertence a menos gente, 
É mais livre e maior o rio da minha aldeia. 
Pelo Tejo vai-se para o Mundo. 
Para além do Tejo há a América 
E a fortuna daqueles que a encontram. 
Ninguém nunca pensou no que há para além 
Do rio da minha aldeia. 
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada. 
Quem está ao pé dele está só ao pé dele. 

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XX" 
Heterónimo de Fernando Pessoa 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 00:48
link do post | comentar | ver comentários (23) | favorito (2)
|
Sábado, 1 de Julho de 2017

Em Lisboa

_MG_9446a.jpg

Alguém diz com lentidão:

"Lisboa sabes..."
é uma rapariga

descalça e leve
um vento súbito e claro

nos cabelos

algumas rugas finas
a espreitar-lhes nos olhos

a solidão aberta

nos lábios e nos dedos

descendo degraus

e degraus e degraus até ao rio. Eu sei. E tu sabias?

Eugénio de Andrade

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 20:51
link do post | comentar | ver comentários (38) | favorito (2)
|
Segunda-feira, 19 de Junho de 2017

Entre o luar e a folhagem

IMG_3481 (2).JPG

Entre o luar e a folhagem, 
Entre o sossego e o arvoredo, 
Entre o ser noite e haver aragem 
Passa um segredo. 
Segue-o minha alma na passagem. 

Tênue lembrança ou saudade, 
Princípio ou fim do que não foi, 
Não tem lugar, não tem verdade. 
Atrai e dói. 

Segue-o meu ser em liberdade. 

Vazio encanto ébrio de si, 
Tristeza ou alegria o traz? 
O que sou dele a quem sorri? 
Nada é nem faz. 
Só de segui-lo me perdi. 

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 00:18
link do post | comentar | ver comentários (40) | favorito (2)
|
Domingo, 28 de Maio de 2017

Abandono

IMG_0138a.jpg


Por teu livre pensamento
Foram-te longe encerrar
Tão longe que o meu lamento
Não te consegue alcançar
E apenas ouves o vento
E apenas ouves o mar
Levaram-te a meio da noite
A treva tudo cobria
Foi de noite numa noite
De todas a mais sombria
Foi de noite, foi de noite
E nunca mais se fez dia.

Ai! Dessa noite o veneno
Persiste em me envenenar
Oiço apenas o silêncio
Que ficou em teu lugar
E ao menos ouves o vento
E ao menos ouves o mar.

David Mourão Ferreira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 01:41
link do post | comentar | ver comentários (31) | favorito (1)
|
Sábado, 11 de Março de 2017

O que diz o meu olhar

IMG_7282.JPG

 

O meu olhar é nítido como um girassol
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando pra direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança, se ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...

Alberto Caeiro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 10:06
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito (3)
|
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2017

Já chove

IMG_8729.JPG

 Pouca gente gosta de chuva, mas a verdade é que estava a fazer falta.

 

Chuva, caindo tão mansa,
Na paisagem do momento,
Trazes mais esta lembrança
De profundo isolamento.

Chuva, caindo em silêncio
Na tarde, sem claridade...
A meu sonhar d'hoje, vence-o
Uma infinita saudade.

Chuva, caindo tão mansa,
Em branda serenidade.
Hoje minh'alma descansa.
— Que perfeita intimidade!...

Francisco Bugalho, in "Paisagem"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 21:09
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito (2)
|
Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2016

Quando se abre a janela

_MG_5734.JPG

 

 Não basta abrir a janela
para ver os campos e o rio.
Não é o bastante não ser cego
para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há idéias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

Alberto Caeiro

 * Para os meus amigos, desejo um feliz 2017, que todas as janelas se abram e consigam concretizar os vossos sonhos. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 10:23
link do post | comentar | ver comentários (34) | favorito (1)
|
Sexta-feira, 23 de Dezembro de 2016

Estranho caminhar

_MG_9702a.jpg

 Estranho é caminhar na densa névoa:
Solitária esta cada planta ou pedra,
Nenhum arbusto enxerga o seu vizinho,
Cada um está só.
Cheio de amigos era, para mim, o mundo
Quando luminosa ‘inda era minha vida;
Agora que a névoa caiu,
Ninguém mais é visível.

Não é deveras um sábio
Quem não conhece a escuridão
Que, suavemente, nos separa
De tudo inexorável.

Estranho é caminhar na densa névoa:
Viver é estar solitário
Entre gente que se ignora.
Todos estamos sós!

Hermann Hesse

 

 

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 12:52
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito (1)
|
Terça-feira, 29 de Novembro de 2016

O que é a natureza?

AEWr0oK7mOjgBz8JGTpN

 

 

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é.
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem por que ama, nem o que é amar...

Alberto Caeiro
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 02:02
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito (2)
|
Sábado, 12 de Novembro de 2016

Cai Chuva no Portal

IMG_6259a.jpg

 Cai a chuva no portal, está caindo
Entre nós e o mundo, essa cortina
Não a corras, não a rasgues, está caindo
Fina chuva no portal da nossa vida.
Gotas caem separando-nos do mundo
Para vivermos em paz a nossa vida.

Cai a chuva no portal, está caindo
Entre nós e o mundo, essa toalha
Ela nos cobre, não a rasgues, está caindo
Chuva fina no portal da nossa casa.
Por um dia todos longe e nós dormindo
Lado a lado, como páginas dum livro.

 

 Lídia Jorge

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 18:45
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito (1)
|
Terça-feira, 1 de Novembro de 2016

O sorriso das folhas de Outono

0eho4mIeUL3PVLedbiMg

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou

Fernando Pessoa

IMG_6422a

E nesta eterna procura outonal descobri mais folhas, mais cores e a mistura que me dá mais emoção, nestes dias ainda bem soalheiros. Duas tonalidades que falam um pouco de mim, umas vezes verde esperança, outras vermelho fogo e no meio vou caminhando absorvendo perfumes, acalentando sonhos e saboreando o que de melhor a natureza me oferece

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 11:35
link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito (1)
|
Quinta-feira, 23 de Junho de 2016

É uma leve brisa que passa

Foi uma brisa que passou

 

 

Como quem num dia de Verão abre a porta de casa
E espreita para o calor dos campos com a cara toda,
Às vezes, de repente, bate-me a Natureza de chapa
Na cara dos meus sentidos,
E eu fico confuso, perturbado, querendo perceber
Não sei bem como nem o quê...

Mas quem me mandou a mim querer perceber?
Quem me disse que havia que perceber?

Quando o Verão me passa pela cara
A mão leve e quente da sua brisa,
Só tenho que sentir agrado porque é brisa
Ou que sentir desagrado porque é quente,
E de qualquer maneira que eu o sinta,
Assim, porque assim o sinto, é que é meu dever senti-lo...

 

Alberto Caeiro

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 16:56
link do post | comentar | ver comentários (27) | favorito (2)
|
Quinta-feira, 16 de Junho de 2016

Não basta abrir a janela

Não basta abrir a janela

Não basta abrir a janela
para ver os campos e o rio.
Não é o bastante não ser cego
para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há idéias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

Alberto Caeiro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 01:44
link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito (2)
|
Sábado, 28 de Maio de 2016

Um rosto

Existe um Olhar

Rosto nu
na luz direta.
Rosto suspenso,
despido e permeável,
Osmose lenta.
Boca entreaberta como se bebesse,
Cabeça atenta.
Rosto desfeito,
Rosto sem recusa onde nada se defende,
Rosto que se dá na duvida do pedido,
Rosto que as vozes atravessam.
Rosto derivando
lentamente,
Pressentindo que os laranjais segredam,
Rosto abandonado e transparente
Que as negras noites de amor em si recebem
Longos
raios de frio correm sobre o mar
Em silêncio ergueram-se as paisagens
E eu toco a solidão como uma pedra.

Que amargos ventos de secura em si sepultam
E que as ondas do mar puríssimas lamentam.

Sophia de Mello Breyner Andresen 

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (22) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Abril de 2016

Bateram à minha porta

Era uma porta

Bateram à minha porta em 6 de agosto,
aí não havia ninguém
e ninguém entrou, sentou-se numa cadeira
e transcorreu comigo, ninguém.

Nunca me esquecerei daquela ausência
que entrava como Pedro por sua causa
e me satisfazia com o não ser,
com um vazio aberto a tudo.

Ninguém me interrogou sem dizer nada
e contestei sem ver e sem falar.

Que entrevista espaçosa e especial!

(Últimos Poemas)

Pablo Neruda

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (21) | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

Depois da vida

Raízes

 

Quando meu coração parar desfeito, 
Em sombra na profunda sepultura; 
E o meu corpo espectral e já perfeito, 
Divagar entre o Olimpo e a terra dura; 

Quando sentir, enfim, todo o meu peito 
A converter-se em luminosa altura; 
Eu, aquele fantasma, o claro eleito, 
O enviado da vida à morte escura; 

Ah, quando, em mim, eu for minha esperança! 
Meu próprio ser, divino e redimido; 
E minha sombra apenas for lembrança, 

Bem longe, em outro mundo transcendente, 
À luz dum sol jamais anoitecido, 
Serei contigo, amor, eternamente. 


Teixeira de Pascoaes

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 21:11
link do post | comentar | ver comentários (15) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Abril de 2016

O sorriso das folhas

Em leque

 

Sorriso audível das folhas,
Não és mais que a brisa ali.
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri, e olha de repente,
Para fins de não olhar,
Para onde nas folhas sente
O som do vento passar.
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou;
E estamos os dois falando
O que se não conversou.
Isto acaba ou começou

Fernando Pessoa

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

publicado por Existe um Olhar às 20:42
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito (1)
|
Direitos de Autor Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março. Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo para que sejam retiradas de imediato. manuelapereira3@sapo.pt

.Quem me segue

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 228 seguidores

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

14
16
18
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Chapéus há muitos

. Um pedaço do meu céu

. É só a brisa que passa

. Pelo Tejo vai-se para o m...

. Em Lisboa

. Entre o luar e a folhagem

. Abandono

. O que diz o meu olhar

. Já chove

. Quando se abre a janela

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

.tags

. todas as tags

.favoritos

. O regresso

. A MORTE e as PENAS.

. As cores do tempo

. ...Ah e tal são meras Teo...

. O cheiro da luz

. Um Livro, Uma Imagem

. A verdadeira história de ...

. CARTA À MINHA AMIGA INÊS

.links

.Lista de links

.Quem me visita

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds