Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Existe um Olhar

Não te preocupes com os que não te conhecem, mas esforça-te por seres digno de ser conhecido. (Confúcio)

Existe um Olhar

Não te preocupes com os que não te conhecem, mas esforça-te por seres digno de ser conhecido. (Confúcio)

A Cisterna Portuguesa de El Jadida

IMG_0297 (1).JPG

No início do século XVI, os portugueses ocupavam vários lugares no Atlântico para fins estratégicos e militares. Uma dessas praças era Mazagán, na qual eles construíram um castelo aproveitando um antigo local da Almohad. Quase quarenta anos depois, o castelo foi reforçado com paredes e a sala de armas foi condicionada como uma cisterna de grande capacidade para suportar longos cercos. Em 1769, as tropas do sultão Sidi Mohammed Ben Abdellah invadem a cidade que agora é chamada El Jadida (a nova), um nome que mantém até hoje.

 Em El Jadida a Cisterna Portuguesa é a jóia da coroa do legado arquitetónico da época colonial em Marrocos

 É uma grande sala quadrada com um teto formado por 36 abóbadas que se apoiam em 25 colunas e a estrutura possui um óculo central ou clarabóia que permite a entrada de luz. O seu estilo gótico manuelino é único na África. O conjunto impressiona com sua robustez, sua luz semi-leve e os reflexos da arquitetura na água. Lembra mais  um local sagrado de meditação do que de um enclave militar. Após o abandono português a cisterna de El jadida   permaneceu escondida por dois séculos. Em 1916, um comerciante  redescobre-a casualmente, foi esvaziada manualmente e restaurada. Ficou famosa graças a Orson Welles, que transformou a cisterna  num hamman pelo seu filme "Otelo". Atualmente, a galeria no topo é dedicada a um museu de pintura. É um local turístico reconhecido como Património Mundial pela UNESCO em 2004.
Poderão ver mais fotos aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Direitos de Autor Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem a prévia permissão do autor. Todas as fotografias estão protegidas pelo Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março. Uma vez que a maioria das fotografias foram feitas em locais públicos mas sem autorização dos intervenientes, se por qualquer motivo não desejarem que sejam divulgadas neste blog entrem em contacto comigo para que sejam retiradas de imediato. manuelapereira3@sapo.pt

Quem me segue

Mais sobre mim

imagem de perfil

links

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Lista de links